De olho no mercado de imóveis em 2023: dicas e tendências que devem guiar o setor

- Advertisement -

*Por Eduarda Tolentino

Nos últimos anos, o mercado em geral sentiu na pele diversas mudanças e precisou se transformar diante dos desafios. No setor de imóveis não foi diferente. Agora estamos a poucos passos de um cenário menos turbulento e mais previsível. O resultado? Boas expectativas.

Um levantamento realizado pela Brain Inteligência Estratégica, em parceria com a Associação Brasileira de Incorporadoras Imobiliárias (Abrainc), mostrou que 62% dos empresários do setor acreditam que o mercado imobiliário em 2023 estará melhor do que nos últimos anos. Isso porque, ainda em 2022, 55% deles disseram que as vendas estiveram de acordo ou acima das metas previstas no início do ano.

Outro levantamento, também englobado no material “Tendências para o Mercado Imobiliário”, ouviu as percepções dos consumidores a respeito da intenção de compra de imóveis e da relação das pessoas com o imóvel. Foram 850 entrevistados de todas as regiões do país. A pesquisa apontou que 85% dos consumidores que adquiriram imóveis nos últimos 12 meses compraram unidades residenciais (69% para moradia e 16% para segunda residência ou imóvel de lazer). Ainda, 78% deles afirmaram que a residência é o local onde mais gostam de estar.

Não é à toa que estudiosos do ramo imobiliário voltam os olhares à intenção de clientes mais seguros e propensos à tomada de decisão para a compra. Essa tendência acontece no segmento econômico por conta da retomada mais forte dos programas habitacionais, que favorece rendas mais baixas. Por isso, vale a pena estar a par de dicas especiais e das estimativas em cena para se alinhar às novas demandas.

Desafios para imobiliárias, incorporadoras e corretores

Com números e análises em mãos, os profissionais da área precisam se atentar a todos os detalhes para corresponder às expectativas de possível alta do segmento. Diante disso, trabalhar a perspectiva financeira é essencial. Para estabelecer uma estratégia de produtividade, por exemplo, a boa pedida é melhorar a estrutura de gastos, reduzindo custos e despesas diretos e indiretos. Já às táticas de crescimento podem envolver: aumento da receita operacional líquida com lucratividade; incremento da geração de caixa operacional; e novas fontes de receita.

Em contrapartida, o cliente também deve ter suas expectativas supridas no processo. Ou seja: ser preparado para a compra com a gestão e acompanhamento dos indicadores de rating e score dele, aumentando assim, em até 90% as chances de aprovação habitacional, com a consequente satisfação na compra; preços competitivos; baixo custo total; e alta qualidade. Assim, é essencial que imobiliárias, incorporadoras e corretores conheçam o público-alvo para saberem quais tipos de imóveis devem ofertar.

 

Impulsionando o setor na prática

A capacidade de direcionar exatamente aquilo que o cliente busca resulta em estar sempre um passo à frente das demais companhias. Mas, para isso, há detalhes na cultura organizacional que fazem toda a diferença.

Assim, reflita: antes de pensar em receitas e despesas, captação de imóveis e demais empreendimentos, retenção de clientes e estratégias de marketing, o que possibilita que qualquer empresa siga crescendo? Se respondeu pessoas, acertou na mosca. Portanto, investir em capital humano é essencial. Algumas dicas a serem colocadas em práticas são: identificar, recrutar e reter talentos qualificados; treinar a força de trabalho; manter as melhores pessoas; promover integração funcional; desenvolver a liderança; e estabelecer plano de reconhecimento.

Outro ponto crucial que não deve mais ser negligenciado, principalmente porque já vivemos a era da aceleração digital e da inovação, é o capital da informação. Afinal, a velocidade na apuração e no levantamento de dados é um diferencial estratégico para qualquer empreendimento. Então, aposte em: promover integração da informação; desenvolver ferramentas de tecnologia para a melhora da eficiência operacional; desenvolver projetos de análise de dados; e implementar ferramenta para facilitar a identificação de terrenos e análises da viabilidade desses espaços.

Por fim, mas não menos importante, deve-se pensar sempre no capital organizacional. Isto é: formatar plano de remuneração para a diretoria; estabelecer plano de meritocracia/remuneração variável alinhada a planejamento estratégico; e fomentar programas que reforcem a cultura da empresa.

Fato é: com um novo ano à frente, ganhamos também novo fôlego para estudar, planejar, ponderar e colocar em prática ações que visam sempre ao crescimento do negócio e à realização do grande sonho da maioria: a conquista da casa própria!

 

 

Redação
Redaçãohttps://www.instagram.com/folhadoestadosc/
Portal do notícias Folha do Estado especializado em jornalismo investigativo e de denúncias, há 20 anos, ajudando a escrever a história dos catarinenses.
- Advertisement -
Must Read
- Advertisement -
Related News