Memória Digital: Max Tavares do Amaral

- Advertisement -


Max Tavares do Amaral nasceu em 2 de junho de 1906, em Itajaí. O filho de Juvêncio Tavares d’Amaral e de Dora Tavares d’Amaral casou com Isolde Hering. A moça era a única filha do blumenauense e empresário Curt Hering, e tiveram os filhos Márcio e Carlos. Bacharelou-se em Direito em São Paulo, em 1930. Assumiu como promotor da Comarca de Rio do Sul e, anos depois, dedicou-se à advocacia e exerceu a profissão em Itajaí e Blumenau. Foi redator do jornal alemão Der Urwaldsboote, de Blumenau, na última fase do periódico. Preocupado com os problemas dos imigrantes e as políticas do Estado Novo (1930-1945), apresentou no 1º Congresso Catarinense de História seu artigo “Assimilação e Aculturação dos Estrangeiros e seus Descendentes, no Vale do Itajaí”. Dirigiu a Empresa Industrial Garcia S.A., entre 1940 e 1943. Em 1945, candidatou-se a deputado federal por Santa Catarina, pela União Democrática Nacional (UDN). Nas eleições de 1950, também pela UDN, concorreu novamente ao cargo de deputado federal pelo mesmo Estado. Com os 5.989 votos recebidos, ficou suplente e não foi convocado. Depois advogou no Rio de Janeiro, então Distrito Federal/DF. Faleceu em agosto de 1972, em Blumenau. Na imagem vemos o casamento de Max Tavares do Amaral e Isolde, filha de Curt e Hedwig. (Fonte: Secretaria Municipal de Cultura / Arquivo Histórico José Ferreira da Silva / Acervo iconográfico: Fundo Privado – Famílias – A – Amaral)

postada em 24/06/2021 14:33 – 16 visualizações

Fotos

Redação
Redaçãohttps://www.instagram.com/folhadoestadosc/
Portal do notícias Folha do Estado especializado em jornalismo investigativo e de denúncias, há 20 anos, ajudando a escrever a história dos catarinenses.
- Advertisement -
Must Read
- Advertisement -
Related News