PODCAST DA FOLHA OUVE O EMPRESÁRIO JUAREZ DA SILVA

- Advertisement -

 

UMA HISTÓRIA DE SUPERAÇÃO E SUCESSO

Na tarde de quarta-feira (15) o Podcast da Folha do Estado, sob o comando dos jornalistas José Santana e Elias Tenório ouviram o histórico emocionante do empresário do ramo imobiliário, Juarez da Silva, que aproveitou a oportunidade para fazer uma narrativa completa de sua trajetória no ramo e, principalmente, para citar, homenagear e agradecer às dezenas de pessoas, do ramo ou não, que o incentivaram e colaboraram em sua caminhada. Também fez questão de agradecer os apoios e amizades recebidos ao longo dos anos.

Estavam com Juarez, seu genro Felipe Sant’Ana e sua filha Paloma Priscila, também alvos de suas homenagens e agradecimentos, além da esposa Katiane Braga (que estava assistindo de casa), o neto Bernardo Eduardo (muito paparicado), assim como o filho Alexandro Momm (ambos em casa) assistindo pelo canal YouTube. “Minha jornada de sucesso nesta região de Santa Catarina começou há 28 anos”, contou. O londrinense Felipe Sant’Ana (pé vermelho) chegou para trabalhar como corretor, encontrou-se com Paloma, começaram a namorar, e Juarez o convidou a trabalhar com ele. Hoje Felipe tornou-se seu genro.
Ele disse que primeiramente chegou em Balneário Camboriú, onde trabalhou como vendedor da Kodac (máquinas de fotografias), e que só mais adiante veio para a região de Itapema (hoje segundo metro quadrado mais caro do Brasil) onde se estabeleceu com ajuda de algumas pessoas e também pelos incentivos dos amigos que nunca lhe faltaram.
Por vezes emocionado, explicou que sua vinda se deu pelo exemplo de um certo amigo da cidade de Agrolândia, que também veio para esta região e se deu muito bem. Lembrou que chegou a Itapema em 1994, com dinheiro no bolso para pagar apenas um aluguel. Começou como Corretor de Imóveis, mas foi com muito trabalho è época, que conseguiu ultrapassar aquela situação pouco favorável, mas foi em frente.
Juarez disse que ele, juntamente com a esposa, lutaram muito para alcançar o sucesso. Explicou que logo que chegou nasceu Paloma (sua filha muito amada, segundo ele), hoje casada com Felipe. Trabalhou em muitas imobiliárias (citou a Terra Marti e a Andorinhas, além de outras), que, lembrou, foram seus professores nesse ramo tão difícil de Corretor de Imóveis. Mas tarde, rememora, montou a Ômega. “Mas, no começo foi muito difícil. A gente vendia o almoço pra comprar a janta”.
Enfim, disse Juarez, fiz parte de inúmeras organizações do ramo. “Em 2009 as coisas começaram a mudar na região. Naquela ocasião vendemos muitos imóveis. Mas foi só em 2014 que montamos uma imobiliária própria, a Juarez Imóveis, onde estamos até agora”, ressalta.

Na foto, José, Felipe, Paloma, Juarez e Elias

RELEMBRANDO
A certa altura da entrevista, Juarez da Silva aproveitou para fazer um relato especial, recheado de agradecimentos a todas as pessoas que colaboraram, ajudaram e o incentivaram para que alcançasse o status que tem hoje no ramo imobiliário.

BALNEÁRIO PEREQUÊ

Mais adiante, ainda dentro do ramo, Juarez contou que ele e a família foram para Balneário Perequê, onde empresários o chamaram de “louco”, pois à época aquele local era insólito, pouco habitado, quase abandonado. Lembrou que mais tarde encontrou e levou um empresário que tinha melhor visão que os outros, e foi então que iniciaram algumas construções mais próximo da praia, uma vez que até aquele momento as construções eram feitas mais distantes. “Hoje, depois de tanto esforço, posso dizer que ‘amo’ Balneário Perequê, e que me orgulho de tudo que ali fizemos. Também me orgulho de todas as pessoas que acreditaram e que até hoje acreditam e continuam crescendo comigo, construindo e fazendo aquilo que gostamos de fazer”, disse meio que comemorando sua vitória.
Juarez fez questão de citar que foi o sucesso da Meia Praia que forçou o crescimento do Perequê, que se tornou o carro-chefe do município de Porto Belo. “Uma coisa levou à outras”, disse. O empresário ainda lembrou que nos anos de 2015/16 começou a fazer um estudo sobre o Perequê, notando que alguma coisa estava faltando, como construtores que acreditassem no crescimento do local. Elogiou aqueles que já estavam no Perequê desde metade do século passado, que iniciaram algumas construções daquela praia, ainda que bem mais modestas que as atuais. “Hoje trabalhamos para o crescimento ordenado da cidade, que tem vários empreendimentos projetados. “Já entregamos muitos apartamentos e continuaremos entregando. Alguns não conseguem me acompanham. Acho mesmo que nasci de sete meses, pois comigo é tudo muito rápido, graças a Deus”, afirmou.

EM BUSCA DA FELICIDADE
Juarez da Silva orgulha-se em dizer que hoje tem uma equipe que funciona como um relógio. Falou da paixão que tem pelo ramo imobiliário. Afirmou que sempre trabalha pensando na felicidade do cliente, por desejar sempre o melhor para todos. Mas fez questão de frisar que nesse ramo nem tudo são flores, que tem gente de todo tipo, inclusive pessoas desqualificadas que nem sempre se comportam como deveriam, criando desconfianças no setor. “Por isso, posso dizer, sem medo de errar, que todo corretor, para entrar no ramo, tem que estar muito bem qualificado para atender a clientela”. O que podemos deduzir de tudo isso? Que homens como Juarez se tornam gigantes do setor imobiliário aqui na Costa Esmeralda! E que nós, da Folha do Estado, também temos orgulho de nossos entrevistados, especialmente pessoas de coragem e determinação como Juarez da Silva!

 

 

 

Redação
Redaçãohttps://www.instagram.com/folhadoestadosc/
Portal do notícias Folha do Estado especializado em jornalismo investigativo e de denúncias, há 20 anos, ajudando a escrever a história dos catarinenses.
- Advertisement -
Must Read
- Advertisement -
Related News